quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Comemoração dos 50 anos da Escola e dos 9 anos de integração da Biblioteca Escolar na RBE

Na passada 2ª feira celebrámos com a devida pompa e circunstância meio século de existência! Tivemos como convidado de honra o nosso patrono D. Fernando II e D. Maria, sua esposa.
Suas majestades e a nossa Coordenadora,
a profª Fátima Macedo

Do passado ao presente... juntos fizemos história!

A Biblioteca Escolar ofereceu brigadeiros de salame à comunidade escolar...


 El Rei D. FernandoII e a rainha acompanhados da Professora Bibliotecária, 
Luísa Azevedo e Silva 




Cerimónia de entrega dos diplomas do Quadro de Valor e Mérito 2017-2018

Foi um dia MUITO especial, em que pudemos contar com a querida presença de antigos profissionais e amigos que marcaram com a sua passagem esta «casa» e que foi um prazer rever.




 
Mas não nos focamos só no passado: fazemos também projetos para o futuro, contando para tal com as gerações mais jovens, cuja evolução vamos acompanhando e orientando.
Venham mais 50 anos!!!

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Regulamento do concurso para o novo LOGOTIPO da BIBLIOTECA ESCOLAR



Agrupamento de Escolas Monte da Lua

Ano Letivo 2018/2019

CONCURSO: CRIAÇÃO DE LOGOTIPO PARA A Biblioteca Escolar

REGULAMENTO

Artigo 1º - Enquadramento
A propósito da comemoração do 50º ano de existência da Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos da EB 2,3 D. Fernando II, decidiu-se lançar um concurso para a criação de um logótipo para a referida biblioteca. Esta iniciativa destina-se a toda a comunidade escolar.

Artigo 2º - Disposições gerais
1 – Objetivos
a. Criar o futuro logótipo da Biblioteca Escolar;
b. Envolver toda a comunidade educativa numa iniciativa de produção artística.

2 – Entidade Promotora
A entidade promotora é a Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos da EB 2,3 D. Fernando II.

3 – Destinatários
a. O concurso destina-se a todos os pais, alunos e pessoal docente e não docente da Escola Básica 2,3 D. Fernando II.
 b. Cada participante assumirá o compromisso de conhecer e cumprir este Regulamento e acatar as decisões do Júri.

4 – Prémio
Este concurso concederá um prémio de 40€, em cheque FNAC, para o logótipo vencedor.


Artigo 3º - Condições de Participação
1 – Requisitos
Os critérios de apreciação serão os seguintes:
a. Coerência do trabalho, tendo em consideração o objetivo do concurso estabelecido no número 1 do artigo 2º.
b. Legibilidade e clareza do logótipo quando impresso a preto. A imagem gráfica deverá ser de fácil apreensão e leitura e passível de aplicação em diferentes suportes. O logótipo deverá prever a necessidade de utilização de cariz institucional.
c. Criatividade e inovação.
d. Qualidade artística.

2– Entrega
a. Os trabalhos (imagens em ficheiro «jpeg») deverão ser enviadas por correio eletrónico para coordenadorabecre@gmail.com até ao dia 22 de novembro de 2018, inclusive.
b. Os trabalhos deverão ser entregues com indicação do nome, ano e turma, para os alunos e para os professores o nome.
c. Cada candidato pode apresentar o máximo de dois logótipos.
d. Todos os trabalhos apresentados deverão fazer alusão à BECRE e evidenciar um aspeto relevante do nosso patrono D. Fernando II, ficando obviamente ao critério do(a) autor(a) a natureza dessa alusão.

Artigo 4º - Composição e Competências do Júri
1 - Composição
a. O Júri de seleção é constituído por três membros, um elemento da BECRE, um professor de Educação Visual e um representante da Coordenação
b. O presidente da direção da associação de pais terá voto de qualidade.
c. Os membros do Júri serão dados a conhecer oportunamente.

2 - Competências
a. Apreciação e seleção dos trabalhos apresentados a concurso.
 b. Selecionar o trabalho vencedor, bem como atribuir diplomas de participação aos autores dos trabalhos não selecionados, não estando para estes prevista a atribuição de prémios.
c. O Júri reserva o direito de não atribuir prémio, caso os trabalhos não apresentem qualidade requerida.
d. O Júri reserva o direito de apreciar apenas os trabalhos que cumpram todos os objetivo apresentados no presente regulamento.

3 – Decisões do Júri
As decisões do júri não são suscetíveis de recurso.

Artigo 5º - Direitos de Propriedade
1 – Ao participar no concurso, os concorrentes declaram ceder à BECRE os direitos de propriedade dos trabalhos selecionados e aceitar o seu uso.
2 – Ao trabalho vencedor será dado o uso que a Biblioteca Escolar entender conveniente.

Artigo 6º - Disposições finais
1 – Os resultados serão divulgados no dia 12 de dezembro de 2018, no site do Agrupamento e no blogue da Biblioteca Escolar.
2 – Cabe ao Júri decidir sobre os casos omissos neste Regulamento.
3 – Os autores autorizam a eventual reprodução dos trabalhos nas publicações e portais informáticos da escola e da Biblioteca Escolar.
4 – Qualquer pedido de informação complementar poderá ser obtido através endereço de correio eletrónico coordenadorabecre@gmail.com.

Dia das Bibliotecas Escolares - 22 de outubro

 
 
Dia das Bibliotecas Escolares
O Plano Nacional de Leitura 2027 felicita as Bibliotecas Escolares portuguesas pelo seu trabalho diário de formação de leitores.
A biblioteca escolar destaca-se pela sua centralidade física e simbólica, constitui-se como um espaço físico e digital aberto, onde todos são bem-vindos, incrementando a ideia de uma cultura de leitura e escrita nas escolas.
Aprender a ler e ler para aprender são processos fundadores indissociáveis da ideia de educação. É necessário que na escola se leia de todas as maneiras, de forma autónoma e orientada, individualmente, a par e em grupo, em voz alta e silenciosamente, de forma extensiva e intensiva, sempre e em todo o lado, para aprender a manejar a informação de forma ética e crítica, estruturar o conhecimento, melhorar a aprendizagem e aumentar o sucesso educativo.
Com o objetivo de dar resposta a esta necessidade, o Plano Nacional de Leitura e as bibliotecas escolares juntam esforços para, colaborativamente, promoverem:
- a inclusão de períodos diários para a prática individual da leitura pelos alunos, com a iniciativa "10 minutos a ler";
- a gestão e o empréstimo às turmas de caixas com conjuntos de livros iguais para serem lidos sob a orientação do professor;
- a celebração de contratos de leitura autónoma com os alunos, tendo em conta as recomendações e as sugestões do Plano Nacional de Leitura 2027;
- o empréstimo e a circulação de livros entre a escola e a casa dos alunos para a leitura em familia;
- concursos, projetos, iniciativas várias que contribuem para fazer leitores.
1. É essencial que existam espaços, tempos e oportunidades nas escolas para estimular o prazer de ler. A aquisição de hábitos de leitura e do prazer de ler exige uma prática regular da leitura, o envolvimento emocional e a motivação pessoal dos leitores através de um exercício livre e voluntário. O acesso facilitado a um espaço de liberdade, de leitura independente, de iniciativas diversificadas de caráter informal concorre para estimular o prazer de ler e formar leitores para a vida. Sendo também um espaço para brincar e aprender de forma recreativa, a biblioteca escolar desenvolve, através dessa diversão em grupo, as capacidades intelectuais, linguísticas e socioafetivas dos alunos.
2. Hoje não basta saber ler. É necessário ler muito bem, independentemente do que lemos, das razões por que lemos, das linguagens, dos textos, dos meios, dos suportes e dos lugares físicos ou virtuais em que nos encontramos, e para isso é exigida uma competência muito sólida em leitura e escrita. Esta exigência de aquisição de uma nova competência leitora e de novas literacias implica repensar os ambientes e os modos de aprendizagem atuais. As bibliotecas escolares têm, neste contexto, um papel catalisador.
3. A biblioteca escolar é um espaço de leitura funcional e informativa, autónoma, onde se descobre e se sustenta o gosto pelo saber, onde é possível ler, investigar e usar de forma livre e com segurança todo o tipo de recursos, impressos e digitais, independentemente do seu formato e da forma de acesso, presencial ou online.
4. Como não só de literacia verbal se faz hoje a leitura, é também possível na biblioteca desenvolver muitas outras formas multissensoriais que se combinam cada vez mais com a palavra escrita e oral, dando lugar a uma nova multialfabetização ou transalfabetização que também a biblioteca deve acolher.
5. A escrita hoje, induzida por novos ambientes digitais e dispositivos móveis, faz-se maioritariamente em ecrãs, associando-se cada vez mais à oralidade e a outras linguagens e formas gráficas e visuais de comunicar, através do Facebook, do Youtube, do Instagram e de outras redes sociais. Por exemplo, como estratégia de motivação e pretexto para o exercício criativo da leitura e da escrita, pode recorrer-se às práticas correntes de escrita dos jovens em plataformas de Fanfic, grupos de leitura e escrita no GoodReads e Wattpad, produção de booktrailers, aplicações de storytelling, etc.
6. Hoje em dia, não só consumimos mas também produzimos informação. As bibliotecas são um espaço de produção e comunicação da imagem e da palavra, onde é possível aprender a trabalhar com tecnologias, plataformas e ferramentas digitais para a criação, a representação e a partilha da informação e do saber, independentemente da sua natureza, suporte ou formato.
7. A leitura é uma atividade social e as bibliotecas, um espaço público comunitário de encontro, empatia e inclusão, onde é possível socializarmo-nos e abrirmo-nos a outros olhares, realidades e modos de viver, ler e sentir.
8. As bibliotecas escolares são, igualmente, um espaço performativo de fruição estética e expressão cultural, onde se pode participar em atividades festivas, eventos artísticos e experiências vivas de leitura explorando a dimensão ostensiva, cénica e pragmática da leitura e dos textos
Aos professores bibliotecários, aos coordenadores interconcelhios, aos docentes e a todos aqueles que, todos os dias, constroem leitores nas e com as bibliotecas escolares, uma saudação especial no Dia das Bibliotecas Escolares.