domingo, 9 de agosto de 2009

Partida

Poema de Despedida
.
É hora de partir, meus irmãos, minhas irmãs
Eu já devolvi as chaves da minha porta
E desisto de qualquer direito à minha casa.
Fomos vizinhos durante muito tempo
E recebi mais do que pude dar.
Agora vai raiando o dia
E a lâmpada que iluminava o meu canto escuro
Apagou-se.
Veio a intimação e estou pronto para a minha jornada.
Não indaguem sobre o que levo comigo.
Sigo de mãos vazias e o coração confiante.
.
Rabindranath Tagore
A saudade já dói, Paula...

2 comentários:

Biblioteca - Esdica disse...

Não conheço o poeta, mas o poema cativou-me. Vou querer ler mais.
( Sente-se muita tristeza neste post, lamento. Mesmo sem me conheceres, recebe um abraço de alguém que entende muito bem o que é a dor da despedida)

BECRE disse...

Mesmo sem te conhecer, soube bem o teu abraço.
Obrigada.